Washington – A Lua pode abrigar cinco vezes mais água do que os cientistas suspeitavam, segundo pesquisadores dos Estados Unidos que dobraram estimativas sobre a quantidade de superfície lunar que fica permanentemente escura, ou seja, sem receber os raios do sol. Isso encoraja cientistas que apostam na colonização da Lua. Para Ben Bussey, da Universidade do Hawai, qualquer quantidade de gelo acumulado nas partes escuras da Lua há bilhões de anos ainda devem estar lá. “Elas nunca evaporaram e voaram livres devido à têneue gravidade)”, explicou à revista Nature. Se algum dia sair do papel, a colônia lunar, que seria mantida através da água congelada, deverá reativar o programa espacial americano.

O gelo proveria os colonizadores com água, que seria obtida por meio de energia solar. Outra fonte de energia que poderia ser utilizada é a que resulta da reação química entre hidrogênio e oxigênio. Em 1998, a nave lunar Prospector encontrou os primeiros sinais de grandes quantidades de água em forma de gelo. Possivelmente, centenas de milhares de toneladas estariam confinadas nas crateras dos pólos da Lua.