Líderes mundiais e sul-africanos comuns passaram nesta quarta-feira pelo velório de Nelson Mandela, que acontece no mesmo anfiteatro no qual ele foi empossado presidente 19 anos atrás como o primeiro negro a ocupar o cargo no país.

Alguns fizeram o sinal da cruz e outros simplesmente olharam para o rosto de Mandela, no interior dos Union Buildings, residência oficial e sede do gabinete do presidente sul-africano, localizados na capital Pretória.

Líderes como o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, o atual presidente sul-africano Jacob Zuma e outros passaram pelo caixão em duas filas, sob a vigilância de quatro oficiais da Marinha. Celebridades como o cantor Bono, do U2, também prestaram suas homenagens, assim como o Frederik de Klerk, o último presidente do período do apartheid, que dividiu com Mandela o prêmio Nobel da Paz pelo fim da segregação racial no país.

 

A esposa de Mandela, Graça Machel, sua ex-mulher Winnie Madikizela-Mandela e outros familiares também estiveram presentes.

 

Ao sair da prisão em 1990, após 27 anos, Mandela fez apelos por perdão e reconciliação no país e se tornou presidente em 1994, após as primeiras eleições inter-raciais sul-africanas.

Na manhã desta quarta-feira, policiais de motocicletas escoltaram carro fúnebre de um hospital militar, nos arredores de Pretória, até os Union Buildings. As pessoas foram às ruas para assistir a passagem do corpo, cantando antigas músicas do tempo da luta contra o apartheid.

O corpo de Mandela, que morreu em 5 de dezembro, aos 95 anos, permanecerá nos Union Buildings por três dias, mas a cada noite será levado de volta para o hospital militar. No sábado, o corpo do líder será levado de avião para a vila de Qunu, onde Mandela cresceu e passou boa parte da infância, na província do Cabo Oriental. Ele será enterrado no domingo.