Um julgamento iminente em Manhattan pode agravar as já acirradas tensões entre os Estados Unidos e a Turquia, após autoridades dizerem que sanções de Washington que podem atingir autoridades turcas podem derrubar o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

A prisão do empresário turco Reza Zarrab em Miami no ano passado, devido a acusações de que ele conspirou com o governo turco para ajudar o Irã a driblas as sanções impostas pelos EUA, perturbaram Ancara. Na época, Erdogan disse que os procuradores americanos poderiam ter “segundas intenções” em relação ao caso.

Agora, sinais de que o empresário pode estar cooperando com os promotores dos EUA estão exasperando funcionários do governo turco, que desencadearam uma retórica anti-EUA. “Vocês estão colocando meu cidadão em julgamento e tentando fazê-lo confessar algo. Isso é democracia? Isso é justiça?”, questionou Erdogan, em um recente discurso que foi televisionado. O Departamento de Estado americano, no entanto, rejeitou as acusações do líder turco.

“Fazer comentários sobre os EUA tentando fomentar um golpe é simplesmente ridículo”, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, a repórteres em Washington.

O julgamento está adicionando incertezas a uma longa lista de questões nas relações entre os EUA e a Turquia. Washington e Ancara, que é um membro-chave da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), estão em desacordo sobre como combater o grupo terrorista Estado Islâmico na Síria. O governo americano também levantou preocupações sobre como Erdogan respondeu a uma tentativa de golpe no ano passado, atacando grupos de oposição e deixando milhares de pessoas presas.

Erdogan, por sua vez, demonstrou irritação publicamente em diversas vezes após uma exigência de extradição de sua parte não ter sido cumprida pelos EUA. O presidente turco acusa o clérigo Fethullah Gulen, que mora na Pensilvânia, de planejar a tentativa de golpe de julho de 2016. Fonte: Dow Jones Newswires.