Um juiz venezuelano, em declarações à Rádio Union, de Caracas, desencadeou uma campanha pela legalização do aborto. O juiz do Supremo Tribunal de Justiça, Alejandro Angulo, em defesa de sua tese, disse que ela vai ajudar as mulheres pobres, as maiores vítimas de abortos clandestinos.

A maior parte da população venezuelana é católica e rejeita a idéia do aborto. Mas, para Angulo, essa postura “obscurantista” só prejudica as mulheres mais pobres. Ele disse que o aborto legalizado traria vantagens psicológicas e clínicas para esse segmento da população. O aborto, neste caso, se justificaria, segundo ele, pelas condições precárias de vida das mulheres.

“A situação econômica desfavorável é o que leva uma mulher a abortar e atualmente há mais mortes de mulheres por abortos do que por partos”, disse ele. Angulo, que é especialista em Direito Penal, defende que a medida seja definida pela Justiça e não através de um referendo. “Seria uma impropriedade”, afirmou.