Um jovem “hacker” israelense que invadiu um site do Mossad, o serviço de inteligência do país, no ano passado, foi absolvido por um tribunal distrital de Jerusalém e ainda recebeu elogios dos juízes, que consideraram sua ação de “utilidade pública”.

O Mossad havia aberto a página na internet para receber as inscrições de candidatos a agentes. O jovem Avi Mizrahi entrou no site para se inscrever e acabou descobrindo que havia erros de segurança, permitindo que tivesse acesso à rede interna do serviço.

Apesar de ter alertado o Mossad sobre a falha, o “hacker” foi processado para determinar se havia cometido um ato ilícito. O juiz Avi Tannenbaum, no entanto, não só ressaltou que Mizrahi não havia causado danos ao site como também ajudou a agência a melhorar seus sistemas de proteção.

“Trata-se, na verdade, de um bom exemplo de cidadania, que deve ser imitado”, comentou outro dos juízes. Segundo a imprensa israelense, com o resultado do julgamento e seus conhecimentos de informática, o jovem terá uma carreira promissora no mundo da espionagem.