A Justiça argentina determinou ontem um embargo de 40 milhões de pesos (cerca de US$ 10,3 milhões) dos bens do ex-secretário de Transportes do Governo Kirchner, Ricardo Jaime. A decisão implica ainda no confisco preventivo de um iate e um avião. Afastado do cargo desde o ano passado, Jaime é investigado por enriquecimento ilícito.

O juiz federal responsável pela causa, Norberto Oyarbide, é o mesmo que inocentou o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e sua mulher, a presidente Cristina Kirchner, em caso similar.

A Justiça já tinha determinado o bloqueio dos bens de Jaime, da mulher dele e das duas filhas do casal, além de proibi-los de sair do país. O juiz também pediu à Interpol informações detalhadas sobre uma casa comprada pela mulher do ex-secretário em Florianópolis, por US$ 400 mil. Jaime ocupava o cargo desde que Kirchner chegou ao governo.

Espionagem

O prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, foi chamado para depor no dia 28 em um caso de espionagem envolvendo políticos e empresários. Ele é suspeito de fazer parte de uma associação ilícita que fez escutas telefônicas ilegais. As acusações envolvem a Polícia Metropolitana, criada por Macri no início do ano.