Em uma operação militar em Ramallah, cidade da Cisjordânia que sedia a Autoridade Palestina (AP), forças israelenses prenderam ontem Maher Uda, acusado por ataques terroristas que provocaram a morte de cerca de 70 israelenses. A reação do Hamas, que se opõe à negociação de paz com Israel, mostrou-se oportunista.

De acordo com a agência France Press, a prisão foi qualificada pelo Hamas como “fruto de uma perigosa coordenação na área de segurança entre a Autoridade Palestina e o governo israelense”. “A continuação dessa ação coordenada vai enterrar a reconciliação porque está no contexto da eliminação do Hamas e do fortalecimento do Fatah”, afirmou o porta-voz do grupo islâmico, Fawzi Barhum, ao referir-se ao partido político que sustenta a AP.