Israel deteve hoje Raed Salah, um dos principais líderes árabes com nacionalidade israelense. Ele foi acusado de incitar distúrbios que vêm ocorrendo na Cidade Velha de Jerusalém. Há dias, israelenses e palestinos se enfrentam na área do Muro das Lamentações e da Esplanada das Mesquitas, lugar sagrado para judeus e muçulmanos.

Salah chefia a chamada “facção norte” do Movimento Islâmico e foi prefeito de Umm al-Fahm, cidade israelense de maioria árabe. Ele já havia sido detido antes por suposto envolvimento com o Hamas. Israel afirma que, desta vez, Salah estava incentivando palestinos a enfrentar as forças israelenses.

Autoridades palestinas, por sua vez, acusam o governo israelense de incitar os distúrbios para justificar a prisão de líderes muçulmanos.

Ao jornal israelense “Haaretz”, Salah disse, após ser detido, que os protestos continuarão “até o fim da ocupação da cidade e de Al-Aqsa”, em referência a Jerusalém Oriental e à mesquita de onde Maomé teria subido ao céus, segundo o Alcorão.