O advogado de uma garota palestina que ficou paraplégica após um bombardeio aéreo de Israel disse que o governo israelense concordou hoje que sua cliente fique no Estado de Israel para receber tratamento médico. A decisão permite que Marya Amen, de 9 anos, seu pai e seu irmão fiquem como residentes temporários no país e que o governo cubra todos os gastos médicos da menina. Ela respira com a ajuda de aparelhos.

Marya Amen foi ferida em um ataque aéreo de Israel contra militantes da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza, em 2006. A mãe, um irmão e a avó da menina foram mortos no bombardeio. Desde então, Marya Amen está internada em um hospital em Jerusalém, enquanto seu pai e sua família lutam com a burocracia israelense para impedir que ela seja transferida a um hospital na Cisjordânia, onde eles afirmam que a medicina é mais atrasada e ela não poderia receber os mesmos cuidados médicos. As informações são da Associated Press.