A Suprema Corte de Israel emitiu uma decisão que permite a separação de homens e mulheres em alguns ônibus que servem à minoria ultraortodoxa das comunidades judaicas, mas apenas se os passageiros concordarem. A porta-voz do tribunal, Ayelet Filo, disse que medida passará por um período de experimentação de um ano.

As práticas ultraortodoxas proíbem que os homens toquem as mulheres, exceto suas esposas. Homens e mulheres ficam separados em público. Recentemente, em duas linhas de ônibus que servem essas comunidades, as mulheres receberam instruções para se sentarem na parte de trás do veículo. Grupos femininos e de direitos humanos criticaram essa prática e abriram um processo na Suprema Corte. Hoje, o tribunal definiu que a medida é legal, contanto que seja voluntária. Há vários casos de mulheres que reclamam de homens que as agridem verbalmente quando elas se recusam a passar para a parte de trás dos ônibus. As informações são da Associated Press.