Israel interceptou mísseis disparados da Faixa de Gaza nesta sexta-feira, disseram os militares do país, no que parecia ser um ataque que visava uma cerimônia que homenageava um soldado israelense morto.

Nenhum grupo reivindicou a responsabilidade pelo ataque a um kibutz perto da fronteira entre Gaza e Israel. Contudo o Hamas, grupo islâmico palestino que governa Gaza, detém os restos do soldado morto na guerra de Gaza de 2014 e colocou uma foto dele em um quadro de avisos durante a noite. Um porta-voz do grupo não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o assunto.

O sistema israelense de defesa antimísseis interceptou dois projéteis, enquanto um terceiro atingiu um prédio próximo à fronteira, causando danos, disseram os militares israelenses. Israel respondeu ao atacar as posições do Hamas em Gaza nesta sexta-feira. Não houve nenhum relato de vítimas, mas as autoridades de saúde palestinas disseram que 40 habitantes de Gaza ficaram feridos em confrontos com forças israelenses próximo à fronteira.

Vídeos postados em redes sociais mostraram que os legisladores israelenses e outros convidados na cerimônia se cobriram quando as sirenes do ataque aéreo foram acionadas durante o ataque, deitando no chão caso os mísseis os atingissem. O líder do opositor Partido Trabalhista, Avi Gabbay, e outros políticos que participaram do evento foram vistos nos vídeos.

Esse foi o sinal mais recente do aumento das tensões na região após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e dizer que iria mudar a embaixada americana no país para a cidade – o que enfureceu muitos palestinos, que desejam Jerusalém Oriental como sua capital. O Hamas, um das duas facções políticas palestinas dominantes, já pediu uma terceira intifada contra Israel e militantes de Gaza lançaram dezenas de mísseis no momento mais intenso das tensões desde o conflito de 2014. Fonte: Dow Jones Newswires.