O governo israelense aprovou mais de 1.300 novas moradias na ocupada Jerusalém Oriental, informou hoje o grupo ativista Peace Now, que classificou a medida como “uma grande provocação”. “Há três novos planos que foram divulgados para revisão pública”, disse a ativista Hagit Ofran. Segundo ela, os planos foram aprovados pelo comitê de planejamento do distrito de Jerusalém e incluem 983 moradias em uma área de Har Homa (assentamento onde vivem mais de 7 mil pessoas) e outras 42 a serem construídas em outros pontos da vizinhança, que fica perto de Belém.

Os planos também detalham outras 320 unidades de moradias, que devem ser erguidas em Ramot, bairro no norte de Jerusalém Oriental, segundo Hagit. “Esse é um novo estágio em Har Homa que realmente o amplia”, avaliou ela. “É uma grande provocação.”

A publicação dos planos é feita no momento em que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, está nos Estados Unidos para conversas com o objetivo de retomar o diálogo de paz com os palestinos. Iniciado no início de setembro, o diálogo logo foi interrompido, após a moratória israelense sobre construções em assentamentos israelenses ter acabado, há seis meses.

Os palestinos congelaram as negociações, em retaliação. Os israelenses resistem a impor uma nova moratória. O governo palestino reagiu à novidade de hoje. Segundo a administração palestina, Netanyahu está trabalhando para sabotar o diálogo de paz. As informações são da Dow Jones.