A Irmandade Muçulmana, grupo que faz oposição ao governo do Egito, rejeitou hoje o novo governo apontado por Hosni Mubarak e pediu que os protestos sejam realizados até a queda do regime. As manifestações contra o governo chegaram hoje ao sétimo dia.

A Irmandade Muçulmana “declara sua total rejeição ao novo gabinete, que não responde ao desejo do povo”, diz um comunicado do grupo.

A organização fundamentalista islâmica pediu ao “povo que continue com suas atividades e se una às massas que marcham em todo o país até a saída deste regime, deste presidente, deste partido, seus ministros e seu Parlamento”. As informações são da Dow Jones.