O Iraque reabriu neste sábado, em Bagdá, a prisão de Abu Ghraib, que ganhou notoriedade internacional pelos casos de maus-tratos a prisioneiros sob responsabilidade de autoridades americanas. Os casos chegaram ao conhecimento público com a divulgação de fotos, em 2004, que mostravam internos sendo humilhados sexualmente por militares americanos.

O prédio, que foi devolvido no ano passado aos iraquianos pelo Comando Militar americano, passou por uma reforma e foi rebatizado de Prisão Central de Bagdá. A prisão dispõe agora de áreas de recreação, aparelhos de ginástica, computadores, biblioteca e estufas para plantas.

Cerca de 400 prisioneiros já foram transferidos para o local, que está sendo promovido pelos iraquianos como um modelo para o sistema penitenciário do país e tem capacidade para até 3 mil internos.