O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou hoje que o país não vai suspender o enriquecimento de urânio nem negociar seus direitos nucleares. No entanto, está disposto a conversar com as potências mundiais sobre os “desafios globais”. “Do nosso ponto de vista, a questão nuclear do Irã está acabada. Continuaremos nosso trabalho dentro da estrutura de regulamentação global e em estreita interação com a Agência International de Energia Atômica (AIEA), mas nunca negociaremos sobre os óbvios direitos da nação iraniana,” disse. Suas declarações foram feitas no mesmo dia em que AIEA, órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) reclamou que o Irã não tem contribuído o suficiente para esclarecer as dúvidas sobre o possível caráter armamentista de seu programa nuclear.

Ahmadinejad disse que estaria disposto a discutir apenas dois aspectos da questão nuclear: “criação de energia nuclear pacífica para todos os países” e um mecanismo para evitar a proliferação de armas nucleares e encorajar o desarmamento nuclear global. Ahmadinejad também disse que vai apresentar um pacote de propostas para negociações com os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e com a Alemanha, mas rejeitou qualquer prazo para tais conversas. Segundo ele, o pacote vai “identificar os desafios da humanidade e resolver preocupações globais”.

O presidente dos EUA, Barack Obama, e seus aliados europeus deram ao Irã até o final de setembro para aceitar uma oferta de negociações nucleares com seis potências mundiais e incentivos comerciais se suspender as atividades de enriquecimento de urânio. Caso contrário, o Irã poderá enfrentar sanções punitivas mais severas. Os membros da AIEA iniciaram uma semana de encontros em Viena, na Áustria, que pode estabelecer o cenário para sanções mais duras contra o Irã.