Mais de cem ativistas políticos de oposição começaram a ser julgados neste sábado por participação nos protestos que se seguiram às eleições presidenciais de 12 de junho no Irã, informou a mídia estatal.

Os oposicionistas são acusados de promover distúrbios e de conspirar para derrubar o sistema vigente, entre outras coisas.

No pleito, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, reelegeu-se em primeiro turno. A oposição denuncia que teria havido fraude em larga escala no processo eleitoral.

Os julgamentos iniciados hoje são vistos como uma tentativa do governo de pôr fim aos persistentes protestos contra o resultado da votação.