Ao menos um homem morreu, depois de ser queimado vivo, e um outro foi ferido por uma arma de fogo, em um protesto feito por trabalhadores das minas de platina da África do Sul hoje. Os mineiros reivindicavam melhores salários. A informação é da polícia local.

“Ao menos 400 mineiros se reuniram num acampamento informal por volta das 6h (1h de Brasília) e um homem foi baleado e ferido. Ele foi levado para o hospital”, disse o capitão da polícia Dennis Adriao. Ele confirmou que 40 pessoas foram detidas por “violência pública”.

Adriao confirmou que, mais à frente, eles encontraram o corpo carbonizado de um outro mineiro, no acampamento informal montado pelos mineiros, na cidade de Photsaneng. O local é o mesmo onde uma van fretada foi incendiada.

Ainda não se sabe a identidade de ambas as vítimas.

Simultaneamente, a polícia disparou balas de borracha para conter mineiros da Anglo American Platinum, que estão em greve e faziam um protesto em Rustenburg.

Um dos líderes da greve, Gaddafi Mdoda, confirmou que houve um conflito rápido entre a polícia e alguns dos 12 mil mineiros que foram demitidos por causa da greve, na última semana.

A versão da polícia é de que os mineiros estavam tentando parar as atividades da mina de Bathopele e que duas vans fretadas, que transportavam mineiros a caminho do trabalho, foram queimadas pelos manifestantes.

Greve

A greve em Rustenburg está próxima de completar um mês. Quatro das cinco minas da cidade estão paralisadas e os grevistas querem o fechamento da quinta.

Os mineiros não acatam a autoridade do Sindicato Nacional de Mineiros (o maior do tipo no país), que consideram demasiadamente brando em suas reivindicações. Eles desejam um aumento de salário, para equiparar suas condições às dos colegas da mina de Marikana.

Na última sexta-feira, a Anglo American Platinum demitiu 12 mil funcionários por participarem da greve. Eles faziam parte dos 75 mil mineiros da região que paralisaram suas atividades para pedir aumento.

Os protestos no setor da mineração já causaram a queda da cotação do rand, que chegou ao nível mínimo em três anos em relação ao dólar. A extração de platina representa 9% do PIB sul-africano.