Ao dialogar com o Irã sobre seu programa nuclear os Estados Unidos estarão em melhores condições para organizar sanções internacionais mais duras caso a diplomacia fracasse, disse hoje a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, à Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes. “Nós realmente acreditamos que, ao seguir o caminho da diplomacia, nós estamos atentos, ganhamos credibilidade e influência com uma série de nações que poderiam participar no sentido de fazer sanções ao regime tão duras e enfraquecedoras quanto gostaríamos que fosse”, afirmou.

O Irã nega que seu programa nuclear tenha como meta o desenvolvimento de armas. A agência estatal Irna informou hoje que saúda um diálogo “construtivo” com as potências mundiais sobre seu programa nuclear, mas insiste que não interromperá suas atividades de enriquecimento de urânio. Hillary disse que, com o apoio de parceiros internacionais, será mais factível impor sanções abrangentes ao país asiático, “caso precisemos disso”. Segundo ela, a medida só será tomada caso a abordagem da negociação fracasse.

A audiência na Câmara dos Representantes é a primeira ocasião em que Hillary vai ao Congresso norte-americano desde a sessão para sua confirmação no cargo, em janeiro. As perguntas formuladas foram em geral amigáveis. Os membros do painel insistiram mais em questões sobre o Irã, o Paquistão e Cuba.