Uma gravação atribuída ao líder islâmico Abdul Haq al-Turkistani e divulgada hoje na internet pedia a muçulmanos de todo o mundo que atacassem propriedades chinesas, em retaliação ao que chamou de opressão do governo da China à minoria muçulmana Uigur. “Eles (os chineses) devem ser atacados dentro e fora” de seu território, diz a mensagem. “Suas embaixadas, seus consulados e lugares onde eles se reúnem merecem ter seus homens capturados e trocados por nossos prisioneiros no Turquestão Oriental.”

A mensagem, intitulada “Os massacres e selvageria chineses não ficarão sem resposta” foi divulgada em um site muçulmano que geralmente traz vídeos e comunicados da Al-Qaeda e de outros grupos militares. Sua autenticidade não pôde ser independentemente verificada.

A capital da província de Xinjiang, que é rica em petróleo e abriga a minoria Uigur, é foco de tensão desde 5 de julho, quando a polícia conteve protestos de residentes locais. Os Uigurs fizeram manifestações violentas, quebrando janelas, incendiando carros e lutando contra o Han Chinese, o grupo étnico dominante no país. Dois dias depois, sofreram contra-ataque. O governo disse que os protestos resultaram em 192 pessoas mortas e 1.721 feridas. A imprensa estatal informou que mais de 1,4 mil pessoas foram detidas. As informações são da Associated Press.