A França subvencionará o custo total dos abortos a partir do próximo ano, contra 80% da operação que paga atualmente, segundo o projeto de lei de financiamento da seguridade social antecipado nesta quinta-feira pela imprensa.

A decisão de pagar a totalidade das interrupções voluntárias da gravidez era uma das promessas eleitorais do atual presidente, François Hollande, durante a campanha que o levou ao Palácio do Eliseu em maio passado.

Na atualidade, o Estado paga 80% dos abortos cirúrgicos e 70% dos médicos.
Segundo o jornal “Les Echos”, a ministra da Saúde, Marisol Touraine, deve incluir esta medida no projeto de lei de financiamento da seguridade social que será apresentado na próxima segunda-feira.

Segundo um estudo da Inspeção Geral de Assuntos Sanitários de três anos atrás, os abortos têm um custo total de cerca de 70 milhões de euros, dos quais até agora o Estado pagava 55 milhões.

Em média, uma interrupção voluntária da gravidez com remédios ronda os 190 euros, enquanto uma cirúrgica praticada em uma clínica particular chega a 450 euros.

Na França, o aborto é legal nas 12 primeiras semanas de gravidez. Por volta de 220 mil interrupções voluntárias da gravidez são praticadas no país.