O escritório do procurador financeiro da França decidiu nesta sexta-feira abrir uma investigação judicial sobre supostas irregularidades cometidas pelo candidato conservador François Fillon quando era parlamentar. Há a suspeita de que Fillon possa ter tido dois filhos e a mulher como funcionários fantasmas de seu gabinete quando era deputado.

O candidato conservador já esteve à frente nas pesquisas, mas perdeu fôlego com as notícias sobre o pagamento total de mais de 1 milhão de euros (US$ 1,1 milhão) para seus familiares em dinheiro público ao longo de vários anos. Uma investigação preliminar foi feita e agora a procuradoria decidiu ampliá-la. Fillon nega qualquer irregularidade e disse que manterá a campanha.

O ex-premiê admite que contratou a esposa e dois filhos como assessores parlamentares quando era deputado, uma prática que é legal na França. Há, porém, a suspeita de que os parentes não tenham trabalhado de fato para merecer o dinheiro público pago a eles.

A eleição ocorre em 23 de abril e o provável segundo turno, em 7 de maio. À frente nas pesquisas está Marine Le Pen, candidata de extrema-direita da Frente Nacional. Em seguida há uma disputa entre Fillon e o centrista Emmanuel Mácron. Nas simulações de segundo turno, Le Pen aparece atrás dos rivais. Fonte: Dow Jones Newswires.