Forças de segurança israelenses expulsaram nesta quarta-feira dezenas de colonos judeus de um prédio que eles haviam ocupado ilegalmente em Hebron, na Cisjordânia. O porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld, disse que não houve resistência durante a operação.

A medida foi recebida com surpresa pelos israelenses, já que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu havia impedido uma ordem de expulsão contra os colonos, um dia antes.

A ordem poderia ter dado início a um violento confronto entre forças de segurança e colonos de Hebron. A cidade bíblica abriga o local de sepultamento de Abraão, patriarca tanto de judeus quanto de muçulmanos, e é o único lugar onde há judeus vivendo no coração de uma cidade da Cisjordânia. Hebron tem sido palco de violência entre árabes e judeus há décadas.

Os colonos de Hebron e seus partidários resistiram violentamente a outras ordens de expulsão, retaliando com ataques contra palestinos.

Cerca de 850 colonos vivem atualmente em Hebron, em enclaves fortemente vigiados, em meio a 180 mil palestinos. Centenas de soldados israelenses mantém uma rígida separação entre os dois lados. As informações são da Associated Press.