Funcionários públicos de uma agência do governo dos Estados Unidos que regulamenta a exploração de petróleo offshore, o Serviço de Gestão Mineral (MMS, na sigla em inglês) – incluídos alguns cujos deveres incluíam a inspeção dos poços – aceitaram ingressos para eventos esportivos, almoços e outros presentes de companhias de petróleo e gás natural, além de usarem computadores do governo para ver pornografia, informa um novo relatório do inspetor geral do Departamento do Interior do governo dos Estados Unidos.

O relatório – o qual foi tornado público pelo inspetor geral, mas foi descrito nesta terça-feira num e-mail do secretário do Interior, Ken Salazar, nota “um número de violações” de regulamentações federais e regras de ética nas agências, praticadas por funcionários no escritório do MMS em Lake Charles, Louisiana. O Serviço de Gestão Mineral é uma unidade do Departamento do Interior que gerencia as reservas offshore de petróleo e gás natural dos EUA.

Salazar revelou algumas das conclusões do inspetor geral num comunicado, antes das audiências que acontecerão no Congresso dos EUA nesta semana, que terão o foco em seu plano para reestruturar a agência, após a explosão da plataforma de petróleo de Deepwater Horizon em 20 de abril. O acidente deixou 11 trabalhadores mortos e provocou o enorme vazamento de petróleo que continua no Golfo do México.

Ainda não está claro quantos funcionários do MMS estavam implicados no relatório do inspetor geral, que levantou ações que ocorreram entre 2000 e 2008. Salazar disse em seu comunicado desta terça-feira que alguns deles se demitiram, outros foram demitidos e alguns estão sendo julgados. Ele afirmou que qualquer um dos funcionários remanescentes, acusados no relatório do inspetor geral de comportamento questionável, será colocado em afastamento temporário enquanto ocorrem as investigações.

Reação do governo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai viajar para o Golfo do México para inspecionar os trabalhos que a British Petroleum (BP) está realizando para controlar o vazamento de petróleo. A visita, anunciada pela Casa Branca, ocorre em meio às crescentes críticas de que o governo poderia fazer mais para interromper o vazamento e diminuir os danos ambientais. A BP, proprietária do poço que está vazando, lidera os trabalhos para interromper o vazamento e é responsável pela limpeza do derramamento.

Ondas de petróleo bruto atingiram as praias de Louisiana no final de semana, alimentando os protestos. O almirante Thad Allen, da Guarda Costeira, disse na segunda-feira que o governo não tem capacidade para interromper o fluxo de petróleo do poço, localizado a 1.500 metros de profundidade. A Casa Branca disse que maiores detalhes sobre a viagem serão divulgados em breve. As informações são da Dow Jones.