Depois de cinco anos de guerras e violência, Bagdá voltou a receber concertos musicais, exposições fotográficas, espetáculos de dança folclórica e degustações de produtos típicos em meio à primeira edição da feira “O olho volta a descobrir”, informou o jornal libanês Al Mustaqbal.

A feira, que começou no sábado passado (26) e durou três dias, recebeu uma exibição de veículos antigos, como o Rolls-Royce pertencente ao rei Ghazi do Iraque (1933-39), entre outros eventos.

No parque, também foram expostas mais de duas mil fotografias de artistas iraquianos e estrangeiros, que narram em imagens o último século de história do país.

Também esteve representado na feira o folclore local, com reproduções da vida cotidiana da mulher iraquiana e dos antigos vendedores ambulantes de tamarindo e suco de uva do começo do século XX.

A animação musical ficou a cargo de Fuad Salim, cantor iraquiano que retornou à pátria depois de 30 anos no exílio, enquanto houve apresentações da companhia de dança nacional.

“O espírito criativo e vital de Bagdá nunca se perdeu e, hoje, a cidade volta a sua vida social e cultural”, comentou o diretor da feira, Fakhri Karim. “Os cidadãos de Bagdá superam todas as dificuldades”.