O movimento Fatah nomeou hoje o primeiro-ministro Salam Fayyad para o cargo de chefe do governo transitório palestino, que é parte de um acordo de unidade com seus rivais do grupo militante islâmico Hamas. A nomeação do respeitado economista pode aliviar as preocupações do Ocidente sobre o acordo de reconciliação, que oferecer ao Hamas peso igual no governo que vai dirigir o país até as eleições do ano que vem. Mas a indicação pode complicar os esforços do Hamas e do Fatah que já lutam para implementar os detalhes do acordo.

Fayyad, um político independente, usou seu cargo para construir e fortalecer instituições estatais e conquistou o respeito dos doadores estrangeiros. Mas o Hamas o considera uma ferramenta do Ocidente. Os integrantes do Fatah se reuniram neste sábado para finalizar uma lista com propostas de candidatos para cargos no gabinete. Um integrante do Fatah que participou da reunião disse, em condição de anonimato, que Fayyad havia sido escolhido para ser o candidato do movimento.

Negociadores do Fatah e do Hamas vão se reunir no Cairo na terça-feira para discutir a constituição do gabinete. O Hamas não disse abertamente que vai contestar a indicação de Fayyad e haverá negociações até o encontro. Fayyad assumiu o cargo de primeiro-ministro em 2007 após um breve governo de unidade entre o Fatah e o Hamas, que terminou em derramamento de sangue. O Hamas tomou o controle da Faixa de Gaza e o Fatah ficou com a Cisjordânia.

Os palestinos querem unificar os dois territórios, localizados em lados opostos de Israel, para formar um Estado independente.

As informações são da Associated Press.