Os dez últimos reféns militares mantidos pela guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) no cativeiro deverão ser libertados mais tarde nesta segunda-feira, informou a presidente do Conselho Mundial da Paz, a brasileira Socorro Gomes, que integra uma comissão de mulheres latino-americanas que intermediaram o acordo de libertação entre o governo colombiano e as Farc. Os reféns serão resgatados por dois helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) em um ponto na selva, também por funcionários da Cruz Vermelha, e levados ao aeroporto de Villavicencio, no departamento de Meta.

“Todos os dez serão entregues hoje. O governo brasileiro ajudou com os helicópteros, para que uma solução pacífica seja encontrada para esse conflito na Colômbia. As Farc aceitaram negociar e pediram que o governo colombiano garanta os direitos dos presos de consciência no país”, disse Socorro Gomes, em entrevista por telefone a partir de Meta, na Colômbia. Ela aguarda a chegada dos reféns no aeroporto.

“Agora, com a libertação dos reféns, nós queremos que o governo colombiano cumpra a sua parte e permita que os presos de consciência sejam tratados de maneira humanitária nas prisões da Colômbia. Nós queremos acesso às prisões”, disse Socorro Gomes. Estima-se que a Colômbia tenha sete mil presos de consciência atualmente, não apenas entre ex-guerrilheiros das Farc e do Exército Nacional de Libertação (ELN), como também sindicalistas e estudantes.

Se a operação for concluída com sucesso, os helicópteros brasileiros deverão chegar a Meta com os reféns às 15h30 do horário local (17h30, hora de Brasília), desta segunda-feira.