O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse hoje que a existência de Israel é “um insulto à humanidade”, em discurso inflamado durante comício em Teerã. A afirmação acontece um dia depois de o aiatolá Ali Khamenei dizer que o Estado judeu “é uma excrescência”.

O líder iraniano reafirmou as conhecidas metas do governo iraniano à medida que o Oriente Médio passa por uma reviravolta muito diferente da Revolução Islâmica de 1979, que derrubou o xá apoiado pelos Estados Unidos e levou o aiatolá Ruhollah Khomeini ao poder.

“Você quer um novo Oriente Médio? Nós também, mas no novo Oriente Médio não haverá nenhum vestígio da presença americana e dos sionistas [israelenses]”, disse Ahmadinejad na Universidade de Teerã, durante o evento, que foi transmitido ao vivo pela televisão estatal.

Ele voltou a pedir a união muçulmana para fustrar o apoio ocidental a Israel, que descreveu como um “tumor cancerígeno” por sua ocupação de terras palestinas. “Salvar a existência do regime sionista [Israel] é um compromisso conjunto dos mais arrogantes governos ocidentais.”

Milhares de iranianos gritaram “Morte à América, morte a Israel” durante protestos organizados pelo governo. A televisão estatal afirmou que milhões de iranianos se juntaram às marchas do dia de al-Quds em todo o país e mostrou multidões entoando frases e carregando retratos de Khomeini e de seu sucessor, Ali Khamenei.

O Irã, penalizado por duras sanções do Ocidente, enfrenta a ameaça de um ataque militar israelense ou norte-americano contra suas controversas instalações nucleares.
Com as revoltas populares remodelando a região, a República Islâmica também está tentando impedir a derrubada de seu aliado árabe mais próximo, o ditador sírio, Bashar Assad.

Aiatolá

Ontem o aiatolá Ali Khamenei disse que Israel é uma “excrescência” artificial no Oriente Médio que “irá desaparecer”.Ele atacou Israel ao afirmar: “Esta artificial e falsa excrescência sionista vai desaparecer do mapa”.

Khamenei falou que a “estrela da esperança” que brilhou no Irã durante sua Revolução Islâmica e na guerra de 1980-1988 com o Iraque “também irá brilhar pelos palestinos e sua terra islâmica será devolvida definitivamente à nação palestina”.

O Estado judeu tem aumentado sua retórica belicosa ao ameaçar atacar as instalações nucleares da República Islâmica, que Israel acredita que sejam utilizadas para desenvolver armas atômicas que poderiam destruir seu país. O Irã nega as acusações, e afirma que seu programa nuclear tem fins puramente civis.