A juíza federal Blanca Evelia Parra Meza ordenou hoje a libertação por falta de provas do ex-prefeito da cidade de Tijuana Jorge Hank Rhon, acusado de possuir armas de uso exclusivo do Exército. A juíza informou que não foi possível demonstrar a culpa nas acusações contra ele, por isso o suspeito deixou a prisão. Mas logo após ser libertado, o empresário de 55 anos foi levado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) para interrogatório sobre um homicídio, disse Heriberto García, procurador de direitos humanos do Estado de Baja Califórnia.

García afirmou que Hank Rhon ficará sob custódia sem acusações, enquanto os investigadores buscam coletar evidências do caso. O procurador disse não ter mais informações sobre o homicídio, porém ele havia comentado no domingo que duas das armas encontradas em 4 de junho na casa do ex-prefeito estavam ligadas aos assassinatos de um segurança, em dezembro de 2009, e de um suposto ladrão de carros, em junho de 2010.

Amante declarado dos animais, magnata dos jogos de azar e proprietário do único local para corrida de cachorros do país, o excêntrico ex-prefeito foi acusado em vários momentos de sua vida, sem provas, por supostas atividades criminais. Atualmente, o homem que governou a fronteiriça Tijuana entre 2004 e 2007 pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI) enfrenta uma situação distinta: é acusado de posse ilegal de armas, após o Exército encontrar em sua casa um arsenal com 88 armas e 10 mil cartuchos. As informações são da Associated Press.