O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ignorou pedidos de políticos de ambos os partidos para evitar as provocações no Twitter e se concentrar em governar o país e voltou a criticar a mídia neste sábado em sua conta no microblog. “A mídia falsa e fraudulenta está trabalhando duro para convencer os republicanos e outros de que eu não deveria usar as mídias sociais – mas lembrem-se, eu ganhei as eleições de 2016 com entrevistas, discursos e mídias sociais. Eu tive que vencer o #FakeNews (notícias falsas), e o fiz. Nós continuaremos a vencer”, disse Trump, em duas mensagens publicadas na sequência. Ele disse ainda que o seu uso de mídias sociais não é “presidencial” e sim “presidencial dos tempos modernos”.

Trump voltou a fazer provocações contra a CNN em referência a uma montagem de uma página do tabloide National Enquirer veiculada pela rede de televisão. “Estou pensando em mudar o nome #FakeNewsCNN (CNN notícias falsas) para #FraudNewsCNN (CNN notícias fraudulentas)”, escreveu Trump.

Mais cedo, Trump já havia direcionado insultos a Joe Scarborough e Mika Brzezinski, co-anfitriões do talk show “Morning Joe”, no Twitter. De seu clube de golfe de Nova Jersey, ele escreveu: “O louco Joe Scarborough e a burra como uma pedra Mika não são pessoas más, mas seu programa com baixa audiência é dominado por seus chefes da NBC. É uma pena”. Trump também disse que Greta Van Susteren perdeu seu programa noturno na MSNBC porque

“se recusou a concordar com o ódio a Trump”. A MSNBC confirmou esta semana que Van Susteren, anteriormente uma âncora de longa data na Fox News, será substituída. Trump também criticou no Twitter neste sábado os Estados que se recusaram a dar informações a uma investigação sobre fraude eleitoral nos EUA.

“Morning Joe” acabou de encerrar o trimestre com a maior audiência da história do programa. A MSNBC não deu uma razão oficial para substituir o programa de Van Susteren.

O foco contínuo de Trump contra redes de televisão a cabo vem em um momento em que os republicanos estão lutando para chegar a um acordo sobre uma revisão da lei de cuidados com a saúde, uma promessa chave do presidente e de legisladores republicanos. Além disso, Trump está indo para o encontro anual do G-20 nesta semana, onde se encontrará com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, um encontro que poderá colocar a política de “Estados Unidos primeiro” de Trump à prova. (Leticia Pakulski – leticia.pakulski@estadao.com, com informações da Associated Press)