Mais de 70 organizações incluindo a ONU e os principais órgãos de defesa dos EUA têm sido alvo de um esforço mundial cibernético de espionagem, de acordo com uma das empresas líderes em segurança cibernética e em rastreamento, a McAfee.

Embora a empresa não acuse diretamente, analistas entrevistados indicam que a China é a principal responsável pelas investidas, informou nesta quarta-feira o jornal “Washington Post”.

A McAfee deve divulgar hoje um relatório com mais detalhes sobre as invasões cibernéticas, a partir de registros monitorados em um único servidor, que inclui as redes de computadores do secretariado da ONU, de um laboratório do Departamento de Energia dos EUA e de algumas dezenas de companhias americanas de defesa. Segundo o documento, a bisbilhotice na rede tem sido feita há vários anos.

O relatório identificou 72 organizações afetadas pelas invasões, das quais 49 estão nos EUA, disse o jornal. Segundo o relatório da McAfee, os invasores procuram dados importantes sobre sistemas militares dos EUA e de comunicação via satélite, entre outros dados sigilosos.

Os especialistas em segurança na rede disseram ao “Washington Post” que a China, além de invadir computadores nos EUA, também fez investidas nas redes de organizações de Taiwan e do Comitê Olímpico Internacional (COI), nos meses que antecederam à Olimpíada de 2008, realizada em Pequim. As informações são da Dow Jones.