O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos reforçou as sanções existentes contra a Rússia “ao identificar uma série de indivíduos e entidades envolvidos no conflito em curso relacionado à Rússia e à Ucrânia”.

Em comunicado divulgado há pouco, o Departamento do Tesouro americano afirmou que a ação de hoje foi tomada para manter “o alinhamento das medidas dos EUA com as de nossos parceiros internacionais”. Segundo a instituição, o emprego das sanções é consistente com o compromisso dos EUA de buscar uma resolução diplomática para a crise ucraniana e facilitar o retorno da Crimeia à Ucrânia e as sanções relacionadas a essa situação “permanecerão em vigor até que a Rússia cumpra plenamente suas obrigações nos termos do Acordo de Minsk”.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou que “essas designações manterão a pressão sobre a Rússia para trabalhar em direção a uma solução diplomática. Este governo está comprometido com um processo diplomático que garanta a soberania ucraniana e não deve haver alívio se sanções até que a Rússia atenda às suas obrigações nos termos do acordo de Minsk”.

Na ação de hoje, o Departamento do Tesouro sanciona 38 indivíduos e entidades, incluindo dois funcionários do governo russo e dois indivíduos que agiram em nome do Kremlin. “Como resultado dessa ação, qualquer propriedade ou interesse em propriedade das pessoas designadas ou no controle de pessoas americanas ou nos EUA deve ser bloqueado” e transações feitas por americanos envolvendo essas pessoas e indivíduos estão proibidas.