O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou esta segunda-feira que está na hora de o Irã decidir se quer fazer um acordo nuclear com o Ocidente ou não. Segundo ele, o governo não vê razões para estender mais uma vez as negociações, que preveem um acordo sobre as diretrizes básicas do plano já no mês que vem.

“Estamos em um momento em que precisamos tomar uma decisão”, disse. “O Irã tem a vontade e o desejo político de chega a um acordo?.”

Oficiais iranianos indicaram no domingo que querem cooperar com as negociações. “Esta é a oportunidade para isso, e precisamos aproveitá-la”, disse o ministro de Relações Exteriores, Javad Zarif, em uma reunião com diplomatas no domingo. Ele também acrescentou que um adiamento não é do interesse de ninguém.

Em entrevista coletiva feita ao lado da chanceler alemã, Angela Merkel, que visita o país, Obama ainda afirmou ter um ponto de vista “bastante diferente” sobre as negociações que a do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Ele também reiterou que não deve se encontrar com o líder judeu em sua visita ao Congresso, que deve acontecer nas próximas semanas.

Há cerca de um mês das eleições gerais em Israel, Netanyahu foi convidado pelo presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, a fazer um discurso em um evento conjunto das duas casas. Boehner desprezou o protocolo ao não negociar a vinda de um líder de Estado com a Casa Branca, o que levou o Executivo a decidir por não fazer um encontro.

“Por mais que eu ame a Merkel, se ela estivesse a duas semanas de uma eleição, ela não receberia um convite da Casa Branca”, afirmou Obama. “Eu também acredito que ela não pediria por um”, completou.

A Casa Branca acredita que o primeiro-ministro irá usar a viagem para tentar influenciar o eleitor israelense nas eleições. Ela ainda teme que o discurso de Netanyahu inflame os republicanos do Congresso, que trabalham pela aprovação de novas sanções contra o Irã mesmo com a ameaça de veto de Obama.

Israel defende há muito tempo que uma Teerã dotada de armas nucleares representa um sério risco à sua própria existência e também para a paz mundial. “Um acordo ruim sobre a situação iraniana está sendo feito em Munique, e ele coloca em perigo a existência de Israel”, disse Netanyahu, em referência à reunião deste final de semana entre oficiais iranianos e norte-americanos na Alemanha. “Por isso, estou determinado a ir à Washington e expor a nossa condição ante os membros do Congresso e o povo dos EUA”, disse. Fonte: Associated Press.