A mãe de Eric Garner, um norte-americano negro morto ao ser segurado pelo pescoço por um policial, pediu que o público continue protestando contra a morte de seu filho. Gwen Carr deu declarações emocionadas ao lado do ministro batista reverendo Al Sharpton no bairro do Harlem, em Nova York.

O reverendo Sharpton afirmou que está planejando uma nova marcha no próximo sábado, a qual deve ocorrer em Washington. Ele afirmou que sua ONG, a National Action Network, irá providenciar ônibus de graça para levar manifestantes até a capital norte-americana.

A passeata iria desde a Pennsylvania Avenue até a Casa Branca. Entre os manifestantes, é esperada a presença de familiares de Garner, de Michael Brown, morto em Ferguson, no Missouri, e de Trayvon Martin, morto na Flórida. “No sábado, sairemos do momento para o movimento”, declarou Sharpton.

A decisão da Justiça norte-americana de não indiciar o policial pela morte de Garner levou a três dias de protestos espalhados pelo país e provocou mais de 300 prisões só na cidade de Nova York.

Manifestações nesta sexta-feira foram menores e mais fracas do que em noites anteriores, provavelmente em razão da chuva em Nova York. Centenas de pessoas marcharam por algumas das mais movimentadas ruas de Manhattan e passaram por destinos turísticos populares como o Rockefeller Center e a Times Square.

A polícia prendeu 20 pessoas durante a noite. Nenhum manifestante ou policial foi ferido, segundo um oficial. Fonte: Dow Jones Newswires.