Washington

– A decisão de um juiz de punir cinco repórteres por se recusarem a identificar as fontes de suas histórias sobre o ex-cientista nuclear Wen Ho Lee, suspeito de espionagem, ameaça esfriar atividades vitais de apuração numa época de sigilo governamental reforçado, dizem defensores da imprensa. Na quarta-feira, o juiz federal Thomas Penfield Jackson declarou os repórteres em desacato e multou cada um deles em US$ 500 por dia até que revelassem suas fontes. O juiz disse que as informações são necessárias para que Wen possa pleitear sua ação contra funcionários do governo por invasão de privacidade. Jackson informou que as multas seriam suspensas à espera do resultado de apelações. Advogados dos jornalistas disseram que eles vão recorrer da decisão. “A ameaça aos direitos da Primeira Emenda (seção da Constituição americana que garante a liberdade de expressão) que está ocorrendo neste verão (boreal) não tem precedentes”, afirmou Lucy Dalglish, diretora da Comissão dos Repórteres pela Liberdade de Imprensa.