A norte-americana Ashley Burns, de 30 anos, teve 20 minutos para fazer uma mala e encontrar sua amiga do outro lado da cidade. Após dividir uma corrida de táxi que custou US$ 300 até o Aeroporto Internacional de Narita, na segunda-feira, ela comprou uma passagem no primeiro voo disponível de Tóquio para Hong Kong. O avião não decolou até o dia seguinte, então, ela passou a noite dormindo no aeroporto.

Depois do terremoto e do tsunami de sexta-feira e dos problemas em reatores nucleares no Japão, muitos estrangeiros que vivem lá estão deixando o país. Agências de viagem em Tóquio registraram um grande número de reservas feitas por estrangeiros, mas ainda havia passagens disponíveis para a maioria dos voos hoje. Empresas com funcionários estrangeiros também estavam retirando alguns integrantes de suas famílias. Mas os planos de saída parecem ser mais temporários do que permanentes.

Alguns moradores estrangeiros receberam um aviso dos representantes locais de seus governos. A Alemanha recomendou que seus cidadãos considerem a hipótese de deixar a Grande Tóquio, segundo um porta-voz da embaixada alemã. A embaixada francesa disse que vai evacuar 280 pessoas das áreas mais atingidas da capital japonesa. O ministro da Energia da França, Eric Besson, disse hoje, em entrevista a uma rádio de Paris, que o Japão parece se encaminhar para uma catástrofe natural. As informações são da Dow Jones.