A União Européia (UE), os Estados Unidos e outros doadores internacionais prometeram à Geórgia mais de US$ 4,5 bilhões em ajuda à reconstrução de partes do país por causa da recente guerra com a Rússia, informaram participantes de uma conferência de doadores realizada hoje em Bruxelas, na Bélgica, que reuniu representantes de 67 países e organizações. As promessas de doação de US$ 3,7 bilhões para o setor público e de US$ 850 milhões para o setor privado “superaram as expectativas”, disse a comissária de Relações Exteriores da UE, Benita Ferrero-Waldner.

De acordo com estimativas iniciais, o custo total da guerra foi de US$ 1 bilhão. Os cálculos são anteriores à atual crise financeira global. “A implementação agora será a chave”, disse Shigeo Katsu, vice-presidente do Banco Mundial. O presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, afirmou considerar “um imperativo moral a ajuda a um vizinho necessitado”.

A Geórgia encontra-se atualmente numa disputa de poder entre a Rússia e o ocidente. Moscou defende que o país caucasiano faz parte de sua esfera de influência. A Europa e os EUA buscam estabelecer vínculos com a região para assegurar acesso a recursos energéticos e reduzir a dependência do gás e do petróleo produzidos e exportados pela Rússia.

No dia 7 de agosto, a Geórgia deflagrou uma ofensiva militar contra a Ossétia do Sul, uma região separatista do país onde grande parte da população tem nacionalidade russa. No dia seguinte, o Exército da Rússia repeliu a ação militar da Geórgia e tomou posições no país. A reação russa foi alvo de críticas por parte dos aliados ocidentais da Geórgia.