Uma das esposas de Osama Bin Laden, a iemenita Amal Ahmed Abdulfattah, disse a oficiais das forças de segurança do Paquistão que o líder da rede Al-Qaeda viveu por cinco anos com a família na cidade de Abbottabad, a cerca de 60 quilômetros da capital do país, Islamabad. Ela foi baleada na perna durante a operação que resultou na morte de seu marido, no domingo, e está recebendo tratamento médico e sendo interrogada no Paquistão junto com outros 15 parentes do terrorista.

No domingo passado, uma operação militar norte-americana atacou a casa de três andares do terrorista, localizada no subúrbio de Abbottabad. Bin Laden estava escondido no terceiro andar da residência, foi morto a tiros e depois foi jogado ao mar, segundo informações do governo norte-americano.

“A esposa de Bin Laden contou, em árabe, que ele e sua família viveram no local nos últimos cinco anos e que o líder da Al-Qaeda nunca deixou o edifício”, disse um oficial da segurança paquistanesa próximo às investigações. “Mas essas declarações ainda não foram corroboradas”, afirmou. Um segundo agente da segurança paquistanesa confirmou a informação.

Segundo esses oficiais, três esposas e 13 filhos de Bin Laden foram retirados da casa junto com os corpos de um de seus filhos, dois guardas kuwaitianos e uma mulher. Com 29 anos, Amal Ahmed Abdulfattah é a mais jovem das três esposas. Segundo depoimentos de vizinhos, dois homens, conhecidos como Arshad e Tariq, eram os únicos homens a deixar a casa com regularidade para fazer compras. Suas identidades reais, contudo, ainda não estão claras. Seus documentos e endereços informados ao governo paquistanês são falsos. As informações são da Associated Press.