O escritor e político espanhol Jorge Semprún Maura, um comunista que sobreviveu ao campo de concentração nazista de Buchenwald e que mais tarde virou ministro da Cultura na Espanha após o fim da ditadura franquista, morreu em Paris aos 87 anos, informou hoje o governo francês.

O ministro da Cultura da França, Frédéric Mitterrand, disse em comunicado que com a morte de Semprún “nós perdemos não apenas um grande escritor, mas também uma importante testemunha dos nossos tempos”.

Semprún nasceu em Madri em 1923, mas cresceu no exílio, em grande parte na França. Ativista comunista, ele foi enviado ao campo de extermínio de Buchenwald, onde passou mais de um ano. Seu primeiro de mais de uma dezena de livros, “A Longa Viagem” (El Largo Viaje), de 1963, descreve a sua história de deportação para o campo nazista.

Após o fim da guerra em 1945, Semprún voltou a Paris, onde foi recebido como herói e virou funcionário da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Mais tarde, após o fim da ditadura franquista em 1975, Semprún voltou à Espanha e foi nomeado ministro da Cultura durante o governo socialista do primeiro-ministro Felipe González, entre 1988 e 1991. As informações são da Associated Press.