A Odebrecht realizou aportes irregulares ao partido governista equatoriano Alianza País de cerca de US$ 5,6 milhões para suas campanhas eleitorais, afirmou José Santos, ex-diretor da empresa brasileira. Em depoimento à Justiça do Equador por videoconferência de São Paulo, Santos detalhou que, para a campanha presidencial de 2012, quando o ex-presidente Rafael Correa Rafael Correa (2007-2017) foi reeleito, a companhia entregou US$ 2,6 milhões para a campanha eleitoral, entre outros pagamentos. O presidente equatoriano, Lenín Moreno, por sua vez, rechaçou fechar contratos com a empresa.

Santos confirmou que os montantes foram entregues a uma assessora de Correa, Pamela Martínez, em dinheiro ou por meio de contratos falsos emitidos pela empresa NexoGlobal, de Martínez, que se encarregava de destinar esses fundos às campanhas. Ele acrescentou que o governo Correa cobraria uma espécie de pedágio para participar de obras públicas.

A Justiça equatoriana investiga o suposto financiamento eleitoral ilícito desde que a promotoria descobriu documentos e outros indícios, inicialmente em mãos de Martínez, nos quais eram detalhados aportes ilegais, as empresas e os encarregados de recebê-los. Em cadeia de televisão, o presidente Lenín Moreno garantiu que “enquanto eu for presidente, a empresa Odebrecht não firmará nenhum contrato com o Estado equatoriano, mas exigimos que eles colaborem com a Justiça”.

A companhia reafirmou sua disposição em seguir “cooperando voluntariamente com as operações” realizadas pela procuradoria e em negociar um “acordo sério e justo” de reparação integral com as autoridades locais. Em dezembro de 2016, a Odebrecht reconheceu ter entregue cerca de US$ 33,5 milhões em subornos a autoridades equatorianas em troca de grandes contratos estatais. A procuradoria, porém, afirma que os subornos superaram US$ 50 milhões. Fonte: Associated Press.