O Royal Free Hospital, de Londres, informou que a enfermeira que se recuperou de Ebola no ano passado, Pauline Cafferkey, foi hospitalizada novamente e está sendo tratada de uma complicação tardia incomum. Sua condição é descrita como séria.

Um avião militar levou Cafferkey de sua casa na Escócia para Londres no início desta sexta-feira. O hospital disse que ela estava sendo tratada em sua unidade de isolamento.

Autoridades médicas disseram que o risco do vírus ser transmitido é baixo, mas autoridades de saúde pública na Escócia estão monitorando pessoas com quem ela teve um contato próximo. O vírus Ebola é transmitido através do contato direto com o sangue ou com fluidos corporais.

Cafferkey foi diagnosticada com Ebola em Dezembro depois de retornar de Serra Leoa. Ela foi tratada no mesmo hospital durante várias semanas e liberada em janeiro. O vírus matou mais de 11.200 pessoas no Oeste da África no ano passado.

“Este tipo de caso não é surpresa”, disse Ben Neuman, virologista da Universidade de Reading. Segundo ele, tem havido crescente evidência dos problemas de saúde mental e física em sobreviventes de Ebola que podem durar por anos depois que o vírus é eliminado da corrente sanguínea. Existem milhares de sobreviventes de Ebola na África Ocidental sofrendo de efeitos colaterais a longo prazo da doença, muitos dos quais não têm acesso ao tratamento. Fonte: Associated Press.