Dois importantes políticos curdos renunciaram hoje de seus postos no governo da região norte do Iraque, no que parece ser uma manobra política para desafiar os árabes pelo controle da cidade de Kirkuk, um dos locais mais voláteis do país.

A cidade abriga uma mistura de árabes, curdos e turcomenos, que competem pelo governo local. Os curdos querem incorporar Kirkuk à sua região autônoma no norte do Iraque, fora do controle do governo central, dominado pelos árabes e sediado em Bagdá. Trata-se de uma das disputas mais explosivas do país. Os árabes de Kirkuk e os turcomenos se opõem aos objetivos dos curdos.

Hoje, funcionários disseram que o presidente do conselho provincial, o curdo Rizkar Ali, será substituído pelo turcomeno Hassan Torhan, elevando as especulações de que um acordo foi feito para fortalecer os laços entre os dois grupos contra os árabes da região. O outro curdo que renunciou foi o governador Abdul-Rahman Mustafa. Os dois deixaram seus cargos durante uma reunião pública em Kirkuk, disse o vereador Rebwar Talabani.

“Eu espero que o homem eleito para este trabalho faça o melhor por Kirkuk e mantenha condições amigáveis entre todos, além de representar todo o povo que vive em Kirkuk”, disse Mustafa em entrevista. Ele afirmou que renunciou por razões pessoais, depois de oito anos no cargo.

Um político turcomeno disse, em condição de anonimato, que a medida tem como objetivo “levar a uma abordagem mais próxima entre turcomenos e curdos”. Segundo ele, a minoria turcomena, que acredita-se represente 12% dos moradores de Kirkuk, sentem-se deixada de lado pelos curdos. Localizada a 290 quilômetros ao norte de Bagdá, Kirkuk é a capital da província de Tamim. As informações são da Associated Press.