As autoridades da Coreia do Sul prenderam neste domingo dois antigos assessores presidenciais em meio a uma investigação de um escândalo político envolvendo uma colaboradora próxima da presidente, Park Park Geun-hye, suspeita de manipular o poder.

O Tribunal Distrital Central de Seul acatou o pedido do Ministério Público e emitiu mandados de prisão para Ahn Jong-beom, ex-secretário para a Coordenação Política de Park, suspeito de pressionar empresas a fazerem donativos a organizações sem fins lucrativos controladas por Choi Soon-sil, uma amiga de Park que está no centro da investigação, e Jung Ho-sung, outro antigo assessor suspeito de ter passado documentos confidenciais, indicou Shin Jae-hwan, porta-voz do tribunal.

Park emitiu várias desculpas depois de suspeitar que ela permitiu que sua amiga de manipular o poder às sombras. Mas as desculpas fizeram pouco para amenizar o descontentamento público, que culminou na maior manifestação contra o governo na capital em quase um ano no sábado, quando dezenas de milhares de pessoas exigiram a saída de Park.

As autoridades também citaram para interrogatório Woo Byung-woo, antigo secretário presidencial para os Assuntos Civis, que culpam por ter falhado em evitar que Choi Soon-sil interferisse nos assuntos de Estado e que está a braços com um outro caso suspeito de corrupção envolvendo a sua família. Fonte: Associated Press