A leishmaniose cutânea, uma doença que ‘devora’ a carne humana, está causando terror nas regiões próximas dos territórios controlados pelo Estado Islâmico (EI). Conhecida como a doença do EI, a leishmaniose causa graves lesões principalmente no rosto das vítimas. A doença é transmitida por insetos de areia infectados.

Segundo a organização Kurdish Red Crescent, a doença se espalhou pelo hábito dos ‘soldados’ do EI deixarem cadáveres apodrecendo nas ruas. Agora, aliado a isso, a falta de cuidados médicos contribui para mais casos da terrível doença.

Refugiados

Além da Síria, a leishmaniose cutânea já foi diagnosticada na Turquia, Líbano e Iraque, áreas que receberam refugiados daquele país.

Segundo especialistas, quando a pessoa é picada pelo mosquito tem os primeiros sintomas apenas após seis meses. Por isso a ocorrência em áreas longe do território do EI.