Em 2007, 16,5 mil pessoas perderam suas vidas em todo o mundo por causa de desastres naturais e cerca de 197 milhões de pessoas foram afetadas, das quais 164 milhões por enchentes. No Brasil, em torno de 1 milhão de pessoas foram atingidas diretamente pela seca, com importante impacto para a agricultura. Os dados foram divulgados ontem pela ONU em levantamento sobre os desastres naturais que atingiram o mundo no ano passado. Segundo a entidade, os prejuízos em todo o mundo com chuvas, secas, tufões e outros desastres foi de US$ 62,5 bilhões em 2007, mais que o dobro das perdas registradas em 2006. No total, cinco importantes desastres naturais foram registrados no Brasil em 2007. Um número bem menor que nos Estados Unidos, com 22 casos, e da China, com 20 desastres. Enquanto o Brasil sofria com a seca, a Ásia passava por um dos piores períodos de chuvas da década.

O número de desastres em 2007 também ficou acima da média dos últimos sete anos. Foram 399 desastres, contra uma média de 394. "As tendências estão comprovando o que os especialistas sobre mudanças climáticas já estavam nos avisando sobre o impacto do meio ambiente na vida das pessoas", afirmou Debarati Guha sapir, diretora do Centro de Estudos sobre Desastres, entidade que fornece os dados à ONU. Tudo indica também que os custos dos desastres ficarão cada vez mais altos. Apenas o terremoto no Japão em julho custou à economia local US$ 12,5 bilhões. As enchentes na Inglaterra ainda consumiram outros US$ 8 bilhões dos ingleses.