O furacão Paloma se fortaleceu neste sábado (8) para a “extremamente perigosa” categoria 4, com ventos sustentados de 215 quilômetros por hora, conforme se aproxima de Little Cayman, provocando ventos e chuvas que derrubam árvores e placas nas ilhas. Segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC), dados indicaram que pouco antes das 8h (de Brasília), a intensidade do furacão aumentou para a categoria 4. No horário, o centro da tempestade estava perto de Little Cayman, a cerca de 150 quilômetros de Grand Cayman e 280 quilômetros de Camaguey, Cuba.

A expectativa do NHC é de que o centro do furacão passe pelas Ilhas Cayman nas próximas horas e se aproxime da costa central de Cuba neste sábado à noite ou no início de amanhã.

O governo de Havana ativou as etapas iniciais de seu organizado sistema de defesa civil. No centro e no leste de Cuba, as pessoas receberam avisos para ficarem ligadas na mídia estatal para obter notícias sobre o progresso do Paloma. O governo também pediu que as pessoas se preparassem para deixar a região.

O jornal oficial cubano Granma lembrou de outros furacões passados de fim de temporada, como uma tempestade em 1932 que matou cerca de 3.000 pessoas, e afirmou que o Paloma representa “um perigo potencial para a ilha”. Cuba já sofre bilhões de dólares em danos com a passagem dos furacões Ike e Gustav nesta temporada. Nas Ilhas Cayman, o governo pediu que todos os hotéis retirassem os hóspedes do térreo e dos primeiros andares. Quase 40 pessoas já estavam em sete abrigos das ilhas.

O serviço de abastecimento de água na ilha Grand Cayman foi fechado e a energia também deve ser cortada conforme o furacão se aproxima, disse a diretora-gerente de riscos, Barbara Carby. “Pedimos a todos que saiam das ruas e fiquem em casa e seguros neste momento”, afirmou.