O dano causado pelo terremoto no Japão pode alcançar 20 trilhões de ienes, mais do que o dobro dos 9,9 trilhões de ienes do terremoto que atingiu a cidade de Kobe em 1995, segundo economistas citados na edição matinal de hoje do jornal Nikkei. A estimativa média de cinco economistas citados na reportagem é de 14,7 trilhões de ienes e há uma variação muito grande entre as previsões, já que ainda não está disponível um quadro completo da situação.

Segundo Takahide Kiuchi, da Nomura Securities, em 1995 a região de Hyogo, onde Kobe se localiza, perdeu 14,7% de seu estoque de capital, que incluía infraestrutura e moradias. Aplicando essa mesma porcentagem às regiões de Iwate, Miyagi e Fukushima, atingidas pelo terremoto da semana passada, as perdas devem alcançar 12,7 trilhões de ienes.

Para Mitsumaru Kumagai, do Instituto de Pesquisas Daiwa, o dano deverá chegar a 15 trilhões de ienes, com base na premissa de que 15% das rodovias e pontes e 10% das moradias e outras construções foram perdidos.

As economias combinadas das regiões de Iwate, Miyagi e Fukushima representam cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do Japão; somadas elas se equivalem a Hyogo. No terremoto de Kobe, a destruição de prédios, rodovias, portos e outras infraestruturas representou 8 trilhões de ienes em danos. As informações são da Dow Jones.