Conflito

Crianças são maiores vítimas do conflito em Gaza

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) afirmou nesta quarta-feira (14) que as crianças envolvidas na ofensiva israelense na Faixa de Gaza são as principais vítimas da violência. Aproximadamente 300 delas foram mortas em menos de um mês, aponta o Unicef. “A cada dia mais crianças estão sendo feridas, seus pequenos corpos feridos, suas jovens vidas despedaçadas”, afirmou a diretora-executiva do Unicef, Ann Veneman, em comunicado.

No lançamento do relatório anual do Unicef, em Johannesburgo, Veneman acrescentou que a prioridade absoluta deve ser a proteção às crianças, maioria da população de Gaza. “Conforme a luta chega ao centro de áreas urbanas bastante populosas, o impacto das armas mortais será ainda maior sobre as crianças.” A diretora-executiva do Unicef pediu que haja permissão para o envio de ajuda humanitária, proteção às escolas e instalações médicas, e também demonstrou preocupação com os danos psicológicos às crianças, de longo prazo.

“A crise em Gaza é singular no sentido de que as crianças e suas famílias não têm para onde escapar, não têm refúgio. A ideia de estar preso em uma área fechada é perturbadora para adultos em épocas de paz. O que se passa na mente de uma criança presa em meio a uma violência tão implacável?”, questionou no documento.

Mais de mil palestinos morreram desde o início dos ataques israelenses na Faixa de Gaza, em 27 de dezembro. A maioria das vítimas é formada por civis, surpreendidos no meio dos confrontos entre o Exército de Israel e milicianos do Hamas. Israel tem o objetivo declarado de interromper o lançamento de foguetes em seu território.

Voltar ao topo