A matéria enviada anteriormente trazia um erro no título. As autoridades da UE querem suspender a venda de armas na Turquia – e não sancionar, como constava. Segue o texto sem alterações, com o título já corrigido.

Autoridades de países da União Europeia (UE) querem aprofundar sanções contra a Turquia, defendendo a suspensão da venda de armamentos ao país como protesto à recente invasão da Síria. Alemanha, França e Holanda já cortaram exportações de armas a Ancara.

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, pediu “um posicionamento forte sobre a exportação de armas à Turquia” e apelou aos Estados Unidos por uma ação internacional contra o Estado Islâmico, em meio a preocupações de que a ofensiva turca possa fortalecer o grupo terrorista.

O chanceler da Holanda, Stef Blok, por sua vez, alertou que “é contra a lei internacional invadir um país vizinho”. Os comentários foram feitos nesta segunda-feira, 14, durante encontro de ministros de Relações Exteriores da UE, em Luxemburgo.

Na última quarta-feira, dia 9, o governo da Turquia iniciou uma operação militar no norte da Síria contra os curdos, aliados dos EUA, após o presidente americano, Donald Trump, determinar a retirada imediata de suas tropas na região.