O corpo do jornalista paquistanês Syed Saleem Shahzad, que investigava a suposta infiltração da Al-Qaeda na Marinha do Paquistão, foi encontrado ontem. Ele havia relatado a um ativista dos direitos humanos que recebia ameaças das agências de inteligência do país. A polícia afirmou que seu corpo apresentava sinais de tortura.

A morte de Shahzad ressalta os perigos do trabalho jornalístico no Paquistão, reconhecido como o país mais fatal para jornalistas em 2010. O correspondente do Asia Times Online e da agência de notícias italiana Adnkronos International havia desaparecido no final do domingo.

As Forças Armadas e as redes de espionagem do Paquistão operam em grande parte fora da lei e geralmente tentam pressionar os meios de comunicação e repórteres. As informações são da Associated Press.