Militantes do Taleban bombardearam um comboio de tropas paquistanesas e abriram fogo contra os sobreviventes. A ação iniciou um confronto que resultou em cinco soldados e sete rebeldes mortos, afirmaram funcionários locais nesta quarta-feira (22). Esse ataque ocorreu ontem no Vale do Swat, outrora um destino turístico, localizado a 150 quilômetros da capital, no noroeste do país. As tropas enfrentam extremistas há um ano na área. Os violentos confrontos perto da fronteira afegã e atentados suicidas por todo o país atrapalham a confiança do Paquistão, já ameaçado por uma crise econômica.

Segundo o chefe da polícia no Swat, Dilawar Bangash, uma bomba atingiu um comboio de caminhões e outros veículos na área de Sarsena. Depois chegaram reforços, que mataram alguns dos militantes. Um porta-voz do Taleban, porém, confirmou 15 mortos entre os soldados e apenas cinco de militantes. As restrições do governo à atuação de jornalistas impedem que haja relatos independentes sobre o confronto. No distrito vizinho de Bajur, as forças paquistanesas afirmam já terem matado mais de 1.000 militantes desde agosto.

O secretário-assistente de Estado dos EUA Richard Boucher elogiou na segunda-feira (20) o trabalho das forças paquistanesas pelas operações contra os militantes. Porém há desconfiança sobre a capacidade do governo local, pró-Ocidente, para enfrentar o problema. Os militantes também usam bases no território paquistanês para realizar ataques no vizinho Afeganistão contra tropas internacionais. O Paquistão pede que os aliados reconheçam seu trabalho e ajudem o país a lidar com os custos dessas operações, para reverter a dificuldade econômica.